Logotipo Dr. Igor Lepski Calil

Cirrose Hepática

atualizado em: 09/28/2023
Tempo de Leitura: 5 minutos
Sumário

um estado final do processo de fibrose progressiva do órgão secundário a uma agressão crônica ao fígado. Em seus estágios avançados dessa condição leva a perda da função hepática porém em sua fase inicial não tem sintomas. Fatores como consumo excessivo de álcool, gordura no fígado (esteatose), hepatite virais e doenças autoimune estão associados a essa condição. Conheça os sintomas, causas e tratamentos da cirrose.

Cirrose - Imagem Ilustrativa

Introdução

A cirrose é uma condição crônica do fígado caracterizada pela substituição do tecido hepático normal por um tecido com cicatrizes. Isso ocorre como resultado de danos prolongados causados por diversas condições, consumo excessivo de álcool, esteatose, hepatites virais crônicas como hepatite B e C, além de doenças autoimune e outras mais raras.

O fígado desempenha diversas funções vitais no organismo. Ele atua em diversas funções metabólicas como controle da glicose no sangue, depuração das hemácias velhas, metabolização de toxinas tanto ingeridas por nos como produzidas pelo organismo como a ureia, principal produtor de proteínas do sangue , produz os fatores da coagulação além de ajudar na produção de hormônios sexuais como testosterona e por fim produção de bile, que é essencial para a digestão de gorduras.

A cirrose leva tanto à perda da função do fígado como altera a função de outros órgãos como rins, coração  e cérebro

Nesse artigo, abordaremos em detalhes a cirrose, incluindo causas, sintomas, diagnóstico e tratamento. Leia até o final e tire suas dúvidas!

Quais as causas da cirrose?

A cirrose pode ser causada por várias condições que levam a danos crônicos e irreversíveis no fígado. As principais causas incluem:

  • Consumo excessivo de álcool: o consumo prolongado e excessivo de álcool pode levar à hepatite alcoólica. Caso o consumo excessivo não seja parado pode evoluir para cirrose com perda da função do fígado 
  • Hepatite viral crônica: infecções crônicas pelo vírus da hepatite B e C podem causar inflamação hepática contínua e cicatrização progressiva, levando à cirrose;
  • Doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA): essa condição está associada ao acúmulo de gordura no fígado (esteatose) e pode resultar em cirrose;
  • Doenças autoimunes: como hepatite autoimune e colangite esclerosante primária (CEP) podem causar inflamação crônica do fígado, levando à cirrose;
  • Distúrbios metabólicos hereditários: como a hemocromatose (acúmulo excessivo de ferro no fígado) e a doença de Wilson (acúmulo de cobre no fígado), podem levar à cirrose 

Além dessas causas, existem outras menos comuns, como doenças hepáticas causadas por medicamentos, exposição a toxinas químicas e doenças genéticas do fígado, mais comum nas crianças 

Quais os sintomas da cirrose?

A cirrose pode causar uma variedade de sintomas, que podem ser desde sintomas inespecíficos e pouco perceptíveis até condições clínicas graves logo de início:

  • Fadiga e fraqueza: a pessoa pode sentir-se cansada e com falta de energia;
  • Icterícia: é caracterizada pela coloração amarelada da pele e dos olhos devido ao acúmulo de bilirrubina, uma substância produzida pelo fígado;
  • Inchaço abdominal: o acúmulo de líquido no abdome, conhecido como ascite, é uma complicação comum da cirrose;
  • Perda de apetite e perda de peso: a cirrose pode afetar o apetite, levando à perda de peso não intencional;
  • Coceira na pele: a acumulação de substâncias tóxicas no sangue devido à disfunção hepática pode causar coceira na pele;
  • Sangramento fácil: a cirrose pode interferir na capacidade do fígado de produzir proteínas de coagulação, levando a uma tendência aumentada a sangramentos;
  • Sangramentos do estômago e esôfago levando a vômitos com sangue.

Além desses sintomas, a cirrose também pode causar outros problemas de saúde, como confusão mental (encefalopatia hepática), pele fina e frágil, veias dilatadas no esôfago (varizes esofágicas), aparecimento de mamas nos homens (ginecomastia), pequenos vasos anômalos na pele do tórax chamado de spider além de vermelhidão na palma da mão. 

Como é realizado o diagnóstico de cirrose?

O diagnóstico de cirrose envolve uma combinação de histórico médico, exame físico, análises laboratoriais e exames de imagem. Os principais métodos de diagnóstico incluem:

  • Análises laboratoriais: são solicitados exames de sangue para avaliar a função hepática, bilirrubina, albumina, tempo de protrombina (TP) e contagem de plaquetas; também podem ser realizados exames para detectar a presença de hepatite viral, como testes para o vírus da hepatite B e C, marcadores de autoimunidade como FAN  além de testes específicos para doenças metabólicas como Wilson e hemodromatose;
  • Exames de imagem: a ultrassonografia abdominal é geralmente o primeiro exame de imagem realizado para avaliar a presença de cirrose; a tomografia computadorizada (TC) e a ressonância magnética (RM) podem ser utilizadas para fornecer imagens mais detalhadas do fígado. Exames como Elastografia Hepática, Fibroscan, Ressonância magnética com elastografia; são mais específicos para uma detecção mais precoce da doença;
  • Biópsia hepática: em alguns casos, pode ser necessária uma biópsia hepática para confirmar o diagnóstico de cirrose.

Cada caso é único, e um diagnóstico preciso é fundamental para o planejamento do tratamento adequado e o monitoramento da progressão da doença.

Como é realizado o tratamento de cirrose?

O tratamento da cirrose visa controlar os sintomas, prevenir complicações, retardar a progressão da doença e melhorar a qualidade de vida do paciente, que serão descritos a seguir.

Tratamento da causa subjacente

Se a cirrose for causada por condições como hepatite viral, doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA) ou consumo excessivo de álcool, o tratamento envolverá a abordagem da causa subjacente, como antivirais para hepatite viral, mudanças no estilo de vida e perda de peso para DHGNA, ou cessação do consumo de álcool.

Controle dos sintomas e complicações

Medicamentos podem ser prescritos para aliviar os sintomas e complicações da cirrose, como diuréticos para controlar a ascite, betabloqueadores para prevenir sangramento de varizes esofágicas e suplementos vitamínicos para suprir deficiências nutricionais.

Dieta e estilo de vida saudáveis

Uma dieta balanceada, pobre em sal e gorduras, pode ajudar a aliviar a carga sobre o fígado. Evitar o consumo de álcool é essencial. Em alguns casos, perda de peso, exercícios físicos regulares e cessação do tabagismo podem ser recomendados.

Tratamento de complicações

Dependendo das complicações presentes, como ascite não controlada, encefalopatia hepática, infecções ou sangramento, intervenções específicas, como paracentese, administração de antibióticos ou ligadura de varizes, podem ser necessárias.

Transplante de fígado

Em casos avançados de cirrose com disfunção hepática progressiva, aparecimento de tumor hepático (Hepatocarcinoma), dificuldade do controle da ascite, da encefalopatia. O transplante de fígado é considerado a única opção para tratamento da cirrose. É um procedimento complexo e requer avaliação rigorosa para determinar a elegibilidade e a compatibilidade do paciente.

O acompanhamento médico regular é essencial para monitorar a progressão da cirrose e ajustar o tratamento conforme necessário.

Dr. Igor Lepski Calil
CRM: 130079
RQE: 100065 / 100066

Graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP.
Fiz residência em Cirurgia Geral e Cirurgia do Aparelho Digestivo no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto e em Transplante de Órgãos Abdominais no Hospital das Clínicas de São Paulo. Além disso, tive oportunidade de participar de uma Surgery Observation no Indiana University Hospital em 2012 nos Estados Unidos.
Meu foco é em casos complexos como Falência Intestinal, Transplante de Intestino e Multivisceral, além de Transplante de Fígado e Cirurgia Hepato-Bilio-Pancreática.

Agende sua Consulta

Atuo nos hospitais

magnifiercross