Logotipo Dr. Igor Lepski Calil

Doença do refluxo

atualizado em: 09/28/2023
Tempo de Leitura: 6 minutos
Sumário

Na doença do refluxo, o ácido do estômago retorna ao esôfago, causando sintomas como azia e queimação. Pode ser causada por diversos fatores, sendo eles alterações da anatomia do esôfago, hérnia de hiato, funcionamento inadequado do cárdia (transição do esôfago para o estômago) e principalmente secundária à obesidade e erro alimentar. O tratamento, no geral, envolve mudanças no estilo de vida, medicamentos e até cirurgia.

Doença do Refluxo - Imagem Ilustrativa

Introdução

A doença do refluxo, também denominada doença do refluxo gastroesofágico, é uma condição em que o conteúdo ácido do estômago retorna para o esôfago, causando sintomas como azia, regurgitação ácida e irritação da mucosa esofágica (revestimento mais interno do esôfago).

Isso ocorre devido ao mau funcionamento do esfíncter esofágico inferior, uma válvula muscular que normalmente impede o refluxo do ácido estomacal para o esôfago chamado de EEI. A doença do refluxo pode ser causada por fatores como hérnia de hiato, obesidade, gravidez, tabagismo e certos medicamentos.

O estômago desempenha um papel crucial no processo digestivo. Ele armazena e quebra os alimentos, misturando-os com ácido clorídrico e enzimas digestivas, onde continuará o processo de trituração dos alimentos, mistura deles com enzimas digestivas, eliminação de germes e bactérias com a presença de acidez extrema. Além disso, o estômago produz o fator intrínseco necessário para a absorção da vitamina B12, fundamentais para a elaboração do sangue e produção de hormônios próprios da digestão . 

O esôfago, por sua vez, é um tubo muscular que conecta a garganta ao estômago. Sua principal função é transportar os alimentos mastigados até o estômago por meio de movimentos peristálticos. O esôfago possui um esfíncter esofágico inferior, uma válvula que se abre para permitir a passagem dos alimentos para o estômago e se fecha para evitar o refluxo ácido. 

A saúde adequada do estômago e do esôfago é essencial para a digestão eficiente dos alimentos e a prevenção de complicações, como a doença do refluxo e a esofagite de refluxo. Manter uma dieta saudável, evitar o tabagismo e o consumo excessivo de álcool, e controlar o peso são importantes para a saúde desses órgãos e para o bem-estar geral.

Nesse artigo, abordaremos em detalhes a doença do refluxo, incluindo causas, sintomas, diagnóstico e tratamento. Leia até o final e tire suas dúvidas!

Quais as causas da doença do refluxo?

A doença do refluxo pode ser causada por uma combinação de fatores, incluindo:

  • Hérnia de hiato: ocorre quando uma parte do estômago se projeta através do músculo diafragma em direção ao tórax; essa condição pode afetar o funcionamento do esfíncter esofágico inferior, permitindo o surgimento da doença do refluxo;
  • Fraqueza do esfíncter esofágico inferior (EEI): o EEI é uma válvula muscular na extremidade inferior do esôfago que normalmente se fecha após a passagem dos alimentos para o estômago; se o EEI não se fechar adequadamente, o ácido estomacal pode retornar para o esôfago;
  • Obesidade: o excesso de peso corporal, especialmente na região abdominal, pode exercer pressão sobre o estômago, favorecendo a doença do refluxo;
  • Dieta inadequada: alimentos ricos em gorduras, temperos fortes, café, chocolate, alimentos cítricos e bebidas carbonatadas podem relaxar o EEI e aumentar a produção de ácido, contribuindo para o refluxo;
  • Gravidez: durante a gestação, as alterações hormonais e o aumento da pressão abdominal podem causar relaxamento do EEI, levando a doença do refluxo;
  • Fumo: o tabagismo enfraquece o EEI e também reduz a produção de saliva, que ajuda a neutralizar o ácido estomacal;
  • Outros fatores: medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) e bloqueadores dos canais de cálcio, esclerodermia, hiperacidez gástrica e distúrbios de motilidade esofágica.

É importante observar que cada pessoa pode ter diferentes fatores desencadeantes da doença do refluxo. Identificar e evitar esses fatores desencadeantes é parte do tratamento e manejo da doença. 

Quais os sintomas da doença do refluxo?

A doença do refluxo pode apresentar uma variedade de sintomas, que podem variar de pessoa para pessoa. Alguns dos sintomas mais comuns incluem:

  • Azia: sensação de queimação ou desconforto no peito que pode se estender até a garganta
  • Regurgitação ácida: retorno do ácido estomacal e do conteúdo do estômago para a boca, muitas vezes acompanhado de um gosto amargo ou azedo
  • Dor no peito: pode ser confundido com dor cardíaca, embora não esteja relacionado a problemas cardíacos
  • Dificuldade para engolir: sensação de obstrução ou dificuldade em engolir alimentos, especialmente alimentos sólidos
  • Tosse crônica ou rouquidão: irritação do revestimento do esôfago devido ao refluxo ácido pode levar a sintomas respiratórios, como tosse persistente ou rouquidão
  • Dor de garganta: a irritação causada pelo refluxo ácido pode afetar a garganta
  • Regurgitação de alimentos não digeridos: em casos mais graves, pode ocorrer regurgitação de alimentos não digeridos, o que indica um mau funcionamento mais significativo do esfíncter esofágico inferior

É importante ressaltar que nem todas as pessoas com doença do refluxo apresentam todos esses sintomas. Além disso, alguns sintomas, como tosse crônica ou dor no peito, podem ser confundidos com outros problemas de saúde. 

Como é realizado o diagnóstico de doença do refluxo?

O diagnóstico da doença do refluxo geralmente envolve uma combinação de avaliação clínica, histórico médico e exames complementares, descritos a seguir.

  • Avaliação clínica: o médico irá realizar uma entrevista detalhada para obter informações sobre seus sintomas, sua frequência e gravidade; também será avaliado o impacto desses sintomas na qualidade de vida;
  • Histórico médico: o médico irá revisar seu histórico médico, incluindo informações sobre medicamentos que você está tomando, hábitos alimentares, consumo de álcool e tabagismo;
  • Testes diagnósticos:
    • Monitoramento do pH esofágico: um cateter fino é inserido pelo nariz até o esôfago para medir a quantidade de ácido presente ao longo do tempo;
    • Endoscopia digestiva alta: para examinar o esôfago, o estômago e a parte inicial do intestino delgado em busca de possíveis anormalidades;
    • Manometria esofágica: um cateter flexível é inserido no esôfago para medir a pressão e a função muscular do esôfago;
    • Estudo de esvaziamento gástrico: é realizado para avaliar a velocidade com que o estômago se esvazia após a ingestão de alimentos.
  • Teste terapêutico: em alguns casos, o médico pode recomendar um período de tratamento com medicamentos para testar se irá aliviar os sintomas da doença do refluxo;

Cada paciente pode requerer abordagens diagnósticas específicas com base nos sintomas e na resposta inicial ao tratamento.

Como é realizado o tratamento de doença do refluxo?

O tratamento da doença do refluxo visa aliviar os sintomas e prevenir complicações a longo prazo. As opções de tratamento incluem:

Mudanças no estilo de vida

Adotar hábitos saudáveis pode ajudar a reduzir os sintomas da doença do refluxo. Isso inclui evitar alimentos e bebidas que desencadeiam o refluxo, como alimentos gordurosos, picantes, cítricos, café e álcool. Também é recomendado evitar comer refeições grandes e deitar-se imediatamente após as refeições. Elevar a cabeceira da cama pode ajudar a reduzir os sintomas noturnos.

Medicamentos

Existem vários tipos de medicamentos disponíveis para tratar a doença do refluxo. Os inibidores de bomba de prótons (IBPs) são frequentemente prescritos para reduzir a produção de ácido estomacal. Antagonistas do receptor H2, como a ranitidina, (não está mais disponível no mercado brasileiro) também podem ser usados para diminuir a produção de ácido. Os medicamentos antiácidos podem fornecer alívio temporário dos sintomas.

Cirurgia

Em casos graves de doença do refluxo que não respondem ao tratamento conservador.  Substituir por Medicamentoso , a cirurgia pode ser considerada. A fundoplicatura laparoscópica é um procedimento cirúrgico em que a parte superior do estômago é envolvida ao redor da parte inferior do esôfago, fortalecendo o esfíncter esofágico inferior e ajudando a prevenir o refluxo ácido.

Monitoramento e acompanhamento

Pacientes com doença do refluxo geralmente requerem acompanhamento médico regular para avaliar a resposta ao tratamento e fazer ajustes, se necessário. Exames de acompanhamento podem ser recomendados, como endoscopia digestiva alta, para avaliar o grau de lesão esofágica e monitorar a progressão da doença.

É importante ressaltar que o tratamento da doença do refluxo é individualizado e pode variar de acordo com a gravidade dos sintomas e a resposta ao tratamento. É essencial consultar um médico especializado para obter um diagnóstico adequado e um plano de tratamento adequado.

Dr. Igor Lepski Calil
CRM: 130079
RQE: 100065 / 100066

Graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP.
Fiz residência em Cirurgia Geral e Cirurgia do Aparelho Digestivo no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto e em Transplante de Órgãos Abdominais no Hospital das Clínicas de São Paulo. Além disso, tive oportunidade de participar de uma Surgery Observation no Indiana University Hospital em 2012 nos Estados Unidos.
Meu foco é em casos complexos como Falência Intestinal, Transplante de Intestino e Multivisceral, além de Transplante de Fígado e Cirurgia Hepato-Bilio-Pancreática.

Agende sua Consulta

Atuo nos hospitais

magnifiercross