Logotipo Dr. Igor Lepski Calil

Colangite Esclerosante

atualizado em: 09/28/2023
Tempo de Leitura: 4 minutos
Sumário

A colangite esclerosante é uma patologia que causa inflamação e estreitamento das vias biliares. Os sintomas incluem pele e olhos amarelados (icterícia), coceira e cansaço. O tratamento envolve medicamentos e procedimentos para aliviar os sintomas.

Colangite esclerosante - Imagem Ilustrativa

Introdução

As vias biliares desempenham um papel muito importante no sistema digestivo, facilitando a produção e o transporte da bile, um fluido produzido pelo fígado que ajuda no processamento de gorduras. 

A bile se armazena na vesícula biliar e é secretada por meio das vias biliares quando necessário. Ela auxilia na emulsificação das gorduras no intestino delgado, permitindo sua absorção adequada. 

As vias biliares podem ser afetadas por diversas doenças, incluindo a colangite esclerosante primária, coledocolitíase (cálculos biliares no ducto biliar comum) e tumores, como o colangiocarcinoma, entre outras.

A seguir, falaremos mais sobre a colangite esclerosante, quais as possíveis causas, como identificar os sintomas, como é feito o diagnóstico e como funciona o tratamento. Fique até o final e tire suas dúvidas!

O que é a colangite esclerosante?

A colangite esclerosante é uma patologia inflamatória crônica que causa cicatrizes e estreitamento das vias biliares, resultando na obstrução do fluxo de bile para o intestino. 

A colangite esclerosante é classificada como primária quando a doença afeta somente as vias biliares e como secundária quando a doença ocorre como parte de outra condição subjacente. Além disso, essa patologia muitas vezes está associada a doenças inflamatórias intestinais, como a colite ulcerativa. 

A gravidade da colangite esclerosante pode variar, mas ela tende a ser uma doença progressiva, que pode causar complicações graves, incluindo cirrose, insuficiência hepática e risco aumentado de câncer de ductos biliares. 

O diagnóstico e a intervenção médica são fundamentais para gerenciar a patologia e promover qualidade de vida aos pacientes afetados.

A seguir, conheça os principais fatores associados à colangite esclerosante e como eles se manifestam!

O que causa a colangite esclerosante?

As causas exatas da colangite esclerosante ainda não são completamente compreendidas, mas acredita-se que envolvam variados fatores genéticos e imunológicos. 

No entanto, os mecanismos precisos pelos quais esses fatores contribuem para o desenvolvimento da doença ainda estão sendo investigados.

Quanto aos fatores associados, a colangite esclerosante é mais comum em homens do que em mulheres e tende a afetar pessoas entre 30 e 60 anos. Ter uma condição inflamatória intestinal aumenta o risco de ter a doença.

Além disso, algumas pesquisas sugerem que pode haver uma predisposição genética para a doença, pois ela às vezes ocorre em famílias. 

É importante ressaltar que ter um ou mais fatores associados não garante que alguém desenvolverá a doença, mas compreender esses fatores pode ajudar na identificação precoce da colangite esclerosante.

Quais os sintomas da colangite esclerosante?

A colangite esclerosante pode causar uma variedade de sintomas que podem variar em intensidade conforme a gravidade da doença. Alguns dos sintomas mais comuns incluem:

  • Coloração amarelada da pele e olhos (icterícia)
  • Coceira
  • Cansaço excessivo
  • Dor ou desconforto na região superior direita do abdome
  • Perda de peso inexplicada
  • Fezes claras e urina escura
  • Diarreia

É importante notar que as manifestações da colangite esclerosante podem se sobrepor a outras condições hepáticas e gastrointestinais, tornando o diagnóstico preciso essencial. 

Como é feito o diagnóstico da colangite esclerosante?

O diagnóstico da colangite esclerosante envolve avaliação clínica, exames de imagem, testes laboratoriais e procedimentos invasivos, descritos abaixo.

Histórico médico e exame físico

O médico discutirá os sintomas, histórico médico e realizará um exame físico para avaliar o quadro clínico do paciente.

Exames de sangue

Avaliação da função hepática, níveis de bilirrubina e outros marcadores podem ser medidos para avaliar o funcionamento do fígado.

Exames de imagem

Pode incluir ultrassonografia, tomografia computadorizada (TC) ou ressonância magnética (RM).

Colangiopancreatografia retrógrada endoscópica (CPRE)

Este procedimento utiliza um endoscópio para injetar um corante nas vias biliares, permitindo a visualização e avaliação detalhada das estruturas internas.

Biópsia

A biópsia consiste na coleta de uma amostra de tecido das vias biliares durante a CPRE para ser levada à análise patológica.

Testes de imagem avançados

Dependendo da situação, outros exames de imagem, como colangiografia por ressonância magnética (CPRM) ou colangiografia por tomografia computadorizada (CPCT), podem ser solicitados.

O diagnóstico da colangite esclerosante é importante para iniciar o tratamento mais adequado ao paciente e prevenir complicações. 

A equipe médica deve trabalhar em conjunto para desenvolver um plano de tratamento apropriado.

Como é realizado o tratamento da colangite esclerosante?

O tratamento da colangite esclerosante visa controlar os sintomas, diminuir a progressão da doença e prevenir complicações. O tratamento geralmente envolve uma abordagem de longo prazo e pode incluir:

Ácido ursodesoxicólico

Este medicamento pode ser utilizado para melhorar o fluxo de bile e aliviar a coceira.

Corticosteroides

Os corticosteroides podem ser usados para diminuir a inflamação das vias biliares.

Endoscopia

A colangiopancreatografia retrógrada endoscópica (CPRE) pode ser usada para dilatar áreas das vias biliares e colocar stents para manter o fluxo de bile.

Tratamento de complicações

Se ocorrerem complicações, como infecções, abscessos ou bloqueios graves, intervenções médicas ou cirúrgicas podem ser necessárias.

Transplante de fígado

Em casos graves, quando o órgão está comprometido, um transplante de fígado pode ser considerado.

Monitoramento regular

É fundamental fazer acompanhamento médico regular para analisar a evolução da doença e ajustar o tratamento conforme necessário.

A colangite esclerosante é uma patologia complexa, e a abordagem pode variar conforme a gravidade da doença e a resposta individual. 
Discutir todas as opções, benefícios e riscos com a equipe médica é importante para tomar decisões informadas sobre o manejo da colangite esclerosante.

Dr. Igor Lepski Calil
CRM: 130079
RQE: 100065 / 100066

Graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP.
Fiz residência em Cirurgia Geral e Cirurgia do Aparelho Digestivo no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto e em Transplante de Órgãos Abdominais no Hospital das Clínicas de São Paulo. Além disso, tive oportunidade de participar de uma Surgery Observation no Indiana University Hospital em 2012 nos Estados Unidos.
Meu foco é em casos complexos como Falência Intestinal, Transplante de Intestino e Multivisceral, além de Transplante de Fígado e Cirurgia Hepato-Bilio-Pancreática.

Agende sua Consulta

Atuo nos hospitais

magnifiercross