Logotipo Dr. Igor Lepski Calil

Doença péptica

atualizado em: 09/28/2023
Tempo de Leitura: 4 minutos
Sumário

A doença péptica é uma condição gastrointestinal caracterizada por lesões no revestimento do estômago e duodeno. Os sintomas incluem dor abdominal, azia e náuseas e sensação de estômago cheio (empachamento). Causas comuns são o mau hábito alimentar, uso de medicações de forma inadequada, a infecção por H. pylori e o uso de anti-inflamatórios.

Doença péptica - Imagem Ilustrativa

Introdução

A doença péptica é uma condição gastrointestinal caracterizada por lesões na mucosa do trato digestivo, especialmente no estômago e duodeno. Essas lesões são geralmente causadas pelo desbalanço da presença e clareamento do ácido clorídrico presente normalmente no nosso estômago que danificam as camadas protetoras do revestimento do órgão.

O estômago desempenha funções vitais no processo de digestão e no funcionamento geral do organismo. Além de ser um reservatório temporário para o alimento ingerido, o estômago produz ácido clorídrico e enzimas digestivas que ajudam na quebra dos alimentos em nutrientes menores, facilitando sua absorção no intestino delgado. 

A mucosa estomacal também secreta o fator intrínseco, essencial para a absorção da vitamina B12. Além disso, o estômago desempenha um papel importante no sistema imunológico, combatendo patógenos e evitando infecções. 

Nesse artigo, abordaremos em detalhes a doença péptica, incluindo causas, sintomas, diagnóstico e tratamento. Leia até o final e tire suas dúvidas!

Quais as causas da doença péptica?

A doença péptica pode ser causada por diversos fatores, sendo os mais comuns:

  • Infecção por Helicobacter pylori: essa bactéria é uma das principais causas da doença péptica, pois ela infecta o revestimento do estômago e do duodeno, causando inflamação e danos à mucosa
  • Uso prolongado de medicamentos anti-inflamatórios não esteroides (AINEs): medicamentos como aspirina, ibuprofeno, diclofenado de sódio e naproxeno podem irritar o revestimento do estômago e aumentar a produção de ácido clorídrico, levando ao desenvolvimento de úlceras
  • Excesso de ácido clorídrico e pepsina: essas substâncias são produzidas naturalmente pelo estômago, no entanto, quando há um desequilíbrio na produção ou um enfraquecimento das defesas do revestimento do estômago, o ácido e a pepsina podem causar danos à mucosa, resultando em úlceras
  • Fatores de estilo de vida: hábitos como consumo excessivo de álcool, tabagismo e estresse crônico  levam a doença péptica

Outros fatores menos comuns incluem o uso de certos medicamentos como corticosteroides, bisfosfonatos e anticoagulantes, além de condições médicas como doenças autoimunes, tumores e síndrome de Zollinger-Ellison, um distúrbio hormonal que causa excesso de produção de ácido no estômago.

Quais os sintomas da doença péptica?

A doença péptica pode apresentar diversos sintomas, que podem variar em intensidade e duração. Alguns dos sintomas mais comuns incluem:

  • Dor abdominal: a dor é frequentemente descrita como uma sensação de queimação ou dor em pontadas na região do estômago, podendo ser intermitente ou persistente e pode piorar quando o estômago está vazio ou durante a noite
  • Azia: é uma sensação de queimação que se origina na parte inferior do peito e pode se estender até a garganta
  • Náuseas e vômitos: esses sintomas podem ocorrer devido à irritação do revestimento do estômago e à presença de ácido gástrico no trato digestivo
  • Sensação de plenitude ou saciedade precoce: pessoas com doença péptica podem sentir-se cheias rapidamente após uma pequena quantidade de comida
  • Perda de peso inexplicada: em casos mais graves, a doença péptica pode causar perda de peso não intencional pela diminuição do apetite e da absorção 

É importante ressaltar que esses sintomas também podem estar relacionados a outras condições de saúde. Portanto, é fundamental buscar uma avaliação médica adequada.

Como é realizado o diagnóstico de doença péptica?

O diagnóstico da doença péptica geralmente envolve uma combinação de histórico médico detalhado, exame físico e testes específicos. Os principais métodos de diagnóstico incluem:

  • Endoscopia digestiva alta: permite visualizar diretamente o revestimento do trato digestivo superior, identificando úlceras, inflamações e outras anormalidades;
  • Teste para detecção de Helicobacter pylori: pode ser realizado através de um teste respiratório, teste de antígeno fecal, teste de anticorpos sanguíneos ou biópsia;
  • Testes de função gástrica: podem ser realizados para avaliar a quantidade de ácido produzido pelo estômago e a capacidade de esvaziamento gástrico.

Cada caso é único, e o médico levará em consideração os sintomas, histórico médico e resultados dos exames para estabelecer um diagnóstico adequado.

Como é realizado o tratamento de doença péptica?

O tratamento da doença péptica depende da causa subjacente. O objetivo geral é aliviar os sintomas, promover a cicatrização das lesões e prevenir complicações. Os principais métodos de tratamento incluem:

Medicamentos supressores de ácido

Os inibidores da bomba de prótons (IBPs), são frequentemente prescritos para reduzir a produção de ácido no estômago, aliviando os sintomas e permitindo a cicatrização das úlceras. 

Antibióticos

Se a infecção por Helicobacter pylori for diagnosticada, um regime de tratamento com antibióticos é prescrito para eliminar a bactéria. Isso geralmente envolve uma combinação de vários antibióticos, juntamente com medicamentos supressores de ácido.

Medicamentos protetores da mucosa

Alguns medicamentos formam uma camada protetora sobre o revestimento do estômago, ajudando a aliviar os sintomas e proteger a mucosa de danos adicionais. Esses medicamentos incluem sucralfato e prostaglandinas sintéticas.

Mudanças no estilo de vida

Fazer ajustes no estilo de vida pode ajudar a controlar os sintomas e promover a cicatrização das úlceras. Isso inclui evitar alimentos e bebidas que desencadeiam os sintomas, reduzir o consumo de álcool e tabaco, diminuir o estresse e adotar uma alimentação saudável.

Dr. Igor Lepski Calil
CRM: 130079
RQE: 100065 / 100066

Graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP.
Fiz residência em Cirurgia Geral e Cirurgia do Aparelho Digestivo no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto e em Transplante de Órgãos Abdominais no Hospital das Clínicas de São Paulo. Além disso, tive oportunidade de participar de uma Surgery Observation no Indiana University Hospital em 2012 nos Estados Unidos.
Meu foco é em casos complexos como Falência Intestinal, Transplante de Intestino e Multivisceral, além de Transplante de Fígado e Cirurgia Hepato-Bilio-Pancreática.

Agende sua Consulta

Atuo nos hospitais

magnifiercross