Logotipo Dr. Igor Lepski Calil

Tumores malignos do esôfago

atualizado em: 09/28/2023
Tempo de Leitura: 4 minutos
Sumário

Os tumores malignos do esôfago são crescimentos cancerígenos que se desenvolvem no revestimento interno do órgão. Hábitos como tabagismo e consumo de álcool aumentam o risco de desenvolver essa doença.

Tumores malignos do esôfago - Imagem Ilustrativa

Introdução

Os tumores malignos do esôfago são crescimentos cancerígenos que se desenvolvem no revestimento interno do órgão. Esses tumores podem ser classificados em carcinoma de células escamosas e adenocarcinoma, sendo mais comuns em pessoas com histórico de tabagismo, consumo excessivo de álcool, refluxo gastroesofágico crônico e obesidade. 

O esôfago desempenha um papel vital no processo de alimentação e digestão. É um órgão tubular muscular que conecta a boca ao estômago, permitindo o transporte de alimentos e líquidos para a digestão. Além disso, o esôfago possui um anel muscular na sua parte inferior, chamado esfíncter esofágico inferior, que ajuda a controlar o fluxo de alimentos e prevenir o refluxo ácido do estômago. 

A função adequada do esôfago é essencial para uma alimentação saudável e eficiente, garantindo a passagem adequada dos alimentos para o estômago e prevenindo complicações como o refluxo gastroesofágico e a disfagia. 

Nesse artigo, abordaremos em detalhes os tumores malignos do esôfago, incluindo causas, sintomas, diagnóstico e tratamento. Leia até o final e tire suas dúvidas!

Quais as causas de tumores malignos do esôfago?

Os tumores malignos do esôfago podem ter várias causas, sendo que alguns dos principais fatores de risco associados ao desenvolvimento de câncer de esôfago incluem o consumo de tabaco, tanto em forma de cigarro como de tabaco sem fumaça, consumo excessivo de álcool, refluxo gastroesofágico crônico, obesidade, dietas pobres em frutas e vegetais e história familiar de câncer de esôfago.

Outras condições médicas, como esôfago de Barrett, uma condição em que o tecido normal do esôfago é substituído por tecido semelhante ao do intestino delgado, também influenciam o processo de desenvolvimento de tumores malignos do esôfago.

Além disso, exposição a produtos químicos tóxicos, infecções virais, como o vírus HPV, e radiação prévia no peito ou no pescoço também podem aumentar o risco de tumores malignos do esôfago. 

Quais os sintomas de tumores malignos do esôfago?

Os sintomas dos tumores malignos do esôfago podem variar dependendo do estágio e localização do tumor. 

Alguns sintomas comuns incluem dificuldade persistente na deglutição (disfagia), dor ou desconforto ao engolir, perda de peso inexplicada, dor no peito ou nas costas, sensação de obstrução na garganta, rouquidão, tosse persistente e refluxo ácido recorrente. 

À medida que o tumor maligno do esôfago progride, podem ocorrer sintomas adicionais, como vômitos com sangue, sangramento gastrointestinal, fadiga e dificuldade respiratória. 

É importante destacar que esses sintomas não são específicos do câncer de esôfago e podem estar associados a outras condições.

Como é realizado o diagnóstico de tumores malignos do esôfago?

O diagnóstico de tumores malignos do esôfago envolve uma série de procedimentos e exames médicos. Inicialmente, o médico realizará uma avaliação clínica completa, incluindo histórico médico e sintomas relatados pelo paciente. 

Em seguida, podem ser solicitados exames de imagem, como endoscopia digestiva alta, que permite a visualização direta do esôfago e a realização de biópsias para análise de tecido. Além disso, outros exames, como tomografia computadorizada (TC), ressonância magnética (RM), radiografia de tórax e PET-CT e EcoEDA  podem ser realizados para avaliar a extensão do tumor e se há metástases em outros órgãos.

É possível que uma amostra de tecido seja obtida por meio de Biopsia feita por EDA para análise patológica. Com base nos resultados desses exames, o médico pode confirmar o diagnóstico de tumores malignos do esôfago e determinar o estágio da doença, o que é essencial para a definição do plano de tratamento adequado.

Como é realizado o tratamento de tumores malignos do esôfago?

O tratamento dos tumores malignos do esôfago depende do estágio da doença, localização do tumor e saúde geral do paciente. 

As opções de tratamento podem incluir cirurgia, radioterapia, quimioterapia, terapia-alvo e imunoterapia. A cirurgia pode envolver a remoção parcial ou total do esôfago, seguida da reconstrução do órgão. 

A radioterapia utiliza radiação de alta energia para destruir as células cancerígenas, enquanto a quimioterapia utiliza medicamentos para combater as células cancerígenas em todo o corpo. 

A terapia-alvo e a imunoterapia são opções mais recentes de tratamento que visam atacar especificamente as células cancerígenas ou fortalecer o sistema imunológico para combater o câncer. 

No geral, o tratamento dos tumores malignos do esôfago deve ser personalizado e decidido em conjunto pela equipe médica e pelo paciente, levando em consideração diversos fatores. 

Dr. Igor Lepski Calil
CRM: 130079
RQE: 100065 / 100066

Graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP.
Fiz residência em Cirurgia Geral e Cirurgia do Aparelho Digestivo no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto e em Transplante de Órgãos Abdominais no Hospital das Clínicas de São Paulo. Além disso, tive oportunidade de participar de uma Surgery Observation no Indiana University Hospital em 2012 nos Estados Unidos.
Meu foco é em casos complexos como Falência Intestinal, Transplante de Intestino e Multivisceral, além de Transplante de Fígado e Cirurgia Hepato-Bilio-Pancreática.

Agende sua Consulta

Atuo nos hospitais

magnifiercross